A esperança e a Desesperança

Dois pacientes do interior do país acabavam de ser atendidos pelo mesmo
médico. Quando o profissional recebeu os resultados das análises que havia solicitado, deu o diagnóstico de cada caso. Um dos pacientes estava gravemente
doente, com pouca chance de sobreviver. O outro não tinha nada sério, e esperava-se que sarasse em pouco tempo.
Devido à distância em que viviam os doentes, foram-lhes enviados pelo correio
os respectivos diagnósticos, mas, por uma infelicidade, os nomes foram trocados.
A consequência foi que o doente que tinha pouca possibilidade de se recuperar continuou vivendo, ao passo que o outro morreu, embora sua doença não fosse séria.
A esperança salvou o paciente cuja doença era grave, e a desesperança matou aquele cuja enfermidade era leve. 
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A cobra que picou Paulo

Chuvas no Espirito Santo

Somos Pequenos